enancib2021@ibict.br

Programa do GT1

█ GT 1 – Estudos Históricos e Epistemológicos da Ciência da Informação

Ementa (atualizada): Estudos históricos e epistemológicos da Ciência da Informação (escolas de pensamento, correntes teóricas, autores e obras de fundamentação, leituras teórico-metodológicas e conceituações). Constituição, desenvolvimento e inovação conceitual, teórica e metodológica do campo científico informacional. Os objetos de estudos da Ciência da Informação e suas transformações teórico-conceituais. Reflexões e discussões sobre disciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade.

: Coordenador: Prof. Dr. Edivânio Duarte de Souza – UFAL
: Coordenador Adjunto: Marivalde Moacir Francelin – USP

 

PROGRAMA COMPLETO DO GT 1 EM PDF

Dia 26.10.2021 – Terça-feira – Tarde – 14-17h

Sessão: 1

GT- 1 26.10.2021 – Tarde – Sessão 1 – 14-17h

Coordenador da sessão: a confirmar

Comunicações

Comunicação 1 – 14:00-14:20: JESSE SHERA E MORTIMER TAUBE: VISÕES DIFERENTES DE UMA MESMA ÉPOCA

Autoria(s): Keitty Rodrigues Vieira – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Cezar Karpinski – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Resumo: Investiga a concepção de Jesse Shera e Mortimer Taube acerca da Biblioteconomia e dos avanços científicos e tecnológicos que culminariam na criação da Ciência da Informação. Justifica-se porque a Ciência da Informação deve refletir sobre suas origens, correntes teóricas, escolas de pensamento e personagens que colaboraram com o processo formativo da área. A escolha pontual por Shera e Taube se dá no intuito de estabelecer um diálogo entre nomes que figuram na bibliografia nacional, porém não de forma conjunta. Trata de um estudo de reflexão teórica e de interpretação hermenêutica, qualitativo, descritivo, sem delimitação cronológica e com a utilização de fontes bibliográficas. Como resultado, se apresenta a compreensão dos autores supracitados sobre a Biblioteconomia e Ciência da Informação e a reflexão sobre suas convergências e divergências. Conclui-se que a perspectiva de Shera, que assume a Biblioteconomia como uma área científica, é influenciada pelo movimento intelectual da Escola de Chicago, enquanto a visão de Taube, de que a informação deve unir as demais disciplinas que compartilham deste objeto, é influenciada por sua experiência profissional que alia produção teórica e resultados de sua empresa Documentation Incorporated.

Palavras-chave: Epistemologia da Ciência da Informação. Jesse Hauk Shera. Mortimer Taube.

Comunicação 2 – 14:20-14:40: RUBENS BORBA POR UMA BIBLIOTECONOMIA EMPENHADA E ANTROPOFAGISTA

Autoria(s): Silvana da Silva Antonio Arduini – Universidade de São Paulo (USP); Edmir Perrotti – Universidade de São Paulo (USP)

Resumo: Este artigo apresenta um recorte dos resultados de pesquisa de doutorado sobre a formação da Biblioteconomia brasileira como campo social. Investiga as contribuições de Rubens Borba de Moraes, participante ativo do grupo de idealizadores da Semana de Arte Moderna, de 1922, em São Paulo, no processo de institucionalização da Biblioteconomia. A pesquisa foi realizada em acervos ligados à atuação de Rubens Borba de Moraes, figura emblemática da Biblioteconomia brasileira, sobretudo no período entre os anos 1935 e 1948. Para a leitura dos documentos utilizamos a análise de conteúdo. Como resultado, verificamos que o projeto encabeçado por Moraes era parte de um movimento amplo que visava afirmar a Biblioteconomia como um campo político-cultural essencial à constituição de um país moderno, onde bibliotecas e bibliotecários são participantes ativos e indispensáveis à construção da vida social. Por outro lado, ele é porta-voz de uma dinâmica que problematizou a redução da biblioteca a depósito de memórias e conhecimentos com poucos vínculos orgânicos com a sociedade brasileira em sua complexidade e singularidade. Apoiado por Mário de Andrade, Moraes encarna um projeto biblioteconômico que coloca a memória cultural como parte fundante da vida do país, compreendida não como categoria estática e cristalizada, mas como “memória em ação”. Ao dialetizar as relações técnica e política, o nascente campo biblioteconômico brasileiro conjugou técnicas de procedência norte-americanas à orientação preservacionista, de origem francófona, num movimento antropofagista de democratização cultural que significou um novo modo de fazer e de pensar não só a biblioteca, mas a Biblioteconomia e o próprio país.

Palavras-chave: Institucionalização da Biblioteconomia. Rubens Borba de Moraes. Modernismo. Democratização cultural.

Comunicação 3 – 14:40-15:00: PRECISAMOS SUPERAR O “INFORMATION AS THING”: UMA ANÁLISE DAS CITAÇÕES DE BUCKLAND, DAY, FROHMANN E LUND NOS ENCONTROS NACIONAIS DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL

Autoria(s): Asy Pepe Sanches Neto – Universidade Federal Fluminense (UFF); Elisabete Gonçalves de Souza – Universidade Federal Fluminense (UFF)

Resumo: O objetivo desta comunicação é analisar o tipo de atenção dedicada a um conjunto de autores eventualmente chamados de neodocumentalistas nos Encontros Nacionais de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIBs) no Brasil, entre eles Michael Buckland, Ronald Day, Niels Lund, e Bernd Frohmann. Faz uma análise dos trabalhos de Buckland com vista a verificar se há uma parcialidade no uso das pesquisas desses autores. Metodologicamente, utiliza a base BENANCIB, sitiada pela Universidade Federal Fluminense, para extração dos dados analisados. Embora a perspectiva do trabalho seja relativa à exposição desses usos, buscou-se teoricamente demonstrar a importância dos autores, tanto no escopo de suas produções quanto à própria configuração da Ciência da Informação brasileira e, além disso, argumentar que há um deslocamento de perspectivas sobre a relação Documento, Informação, Documentação, sobretudo na obra Michael Buckland – o que justifica a análise dos usos desse autor no tópico de encerramento do trabalho. Os resultados demonstram que Bernd Frohmann e Michael Buckland possuem um maior impacto nas produções do evento e que há uma prevalência desses autores nos estudos de ordem histórico-epistemológica. A análise das citações de Michael Buckland demonstrou uma certa restrição quanto ao uso da produção do autor no cenário dos ENANCIBs, centrando-se majoritariamente em suas produções da década de 1990, período em que o autor iniciava os seus estudos conceituais sobre o Documento e a Documentação.

Palavras-chave: Documentação. Epistemologia. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação.

Debate: 15:00-15:30.

Intervalo: 15:30-15:40

Comunicação 4 – 15:40-16:00: CONTROVÉRSIAS CIENTÍFICAS DA NATUREZA INTERDISCIPLINAR DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: RASTROS E INSCRIÇÕES DE CIENTISTAS DA INFORMAÇÃO

Autoria(s): Zayr Claudio Gomes da Silva – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Marlene Oliveira – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Resumo: A enunciação da natureza interdisciplinar da ciência da informação é construída discursivamente, visando constituir-se como um de seus fundamentos epistemológicos. Objetivou-se rastrear inscrições de cientistas da ciência informação estrangeiros e brasileiros que se importam com esse processo discursivo. Metodologicamente, utilizou-se as modalidades de enunciação e o questionário. Resultados apontam controvérsias científicas em torno dessa dita natureza interdisciplinar, a saber: “o surgimento da área já apontava pra isso”; a “ciência é uma construção humana e não tem nada de natural”; “qualquer ciência é, ‘por natureza’ disciplinar e interdisciplinar”, dentre outras. Conclui-se que algumas inscrições direcionam o enunciado às suas condições de produção e outras afastam para torna-lo mais forte ou fraco, ou mesmo contrapõem escapando desse processo discursivo.

Palavras-chave: Interdisciplinaridade. Ciência da Informação. Natureza Interdisciplinar. Controvérsias Científicas.

Comunicação 5 – 16:00-16:20: ENSINO DE FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA

Autoria(s): Henry Poncio Cruz de Oliveira – Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Tâmela Costa – Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Michel Batista – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Resumo: Seja qual for o olhar que se estabelece no sentido de diagnosticar, descrever, modelar, questionar, criticar ou refletir sobre os tempos atuais, podemos encontrar como eixos centrais do funcionamento social: a informação e as tecnologias. No Brasil, a Ciência da Informação está marcadamente estruturada como um campo científico institucionalizado, vinculado ao Sistema Nacional de Pós-Graduação, com representação na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com forte contribuição da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação para manutenção da institucionalização do campo. Neste sentido, a questão de pesquisa que fundamenta este trabalho: Como tem ocorrido o ensino dos Fundamentos Teóricos da Ciência da Informação na Pós-Graduação brasileira? O objetivo dessa pesquisa é traçar um panorama sobre o ensino dos Fundamentos Teóricos da Ciência da Informação na Pós-Graduação brasileira. Um mapa conceitual está organizado por região e por Programa de Pós-Graduação, permitindo uma visualização comparativa dos principais núcleos conceituais e temáticos apresentados nas ementas das disciplinas de Fundamentos Teóricos de Ciência da Informação.

Palavras-chave: Pós-Graduação. Disciplinas. Ementas. Fundamentos. Ciência da Informação.

Comunicação 6 – 16:20-16:40: INFORMAÇÃO LÍQUIDA: CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS À CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Autoria(s): Richele Grenge Vignoli – Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) / Universidade Estadual Paulista (UNESP); Carlos Cândido de Almeida – Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Resumo: Trata-se de uma pesquisa que visa construir uma definição de informação líquida para a Ciência da Informação. No contexto das Tecnologias da Informação e Comunicação, na web invisível, na condição pós-humana ou nos espaços e não lugares, a informação nem sempre se comportará como um documento tradicional, com suporte físico ou densa corporeidade. Exatamente sob as circunstâncias atuais, é que se questiona o posicionamento da Ciência da Informação sobre uma informação ressignificada, sob objetos e sujeitos informacionais contemporâneos, uma entidade chamada aqui de informação líquida. A problemática da pesquisa se reflete nos seguintes questionamentos: Que aportes teóricos são necessários a construção de uma definição de informação líquida? Quais atributos são necessários para compreender a informação líquida? Como objetivo geral, a pesquisa busca construir as bases teóricas para compreender a informação líquida no contexto da Ciência da Informação. Com intuito de atingir os objetivos propostos nesta pesquisa, a metodologia utilizada se constitui pela pesquisa bibliográfica e abordagem qualitativa. A informação líquida será concebida por atributos e pontos distintivos em relação às definições de informação já existentes na Ciência da Informação. Por enquanto, seriam 7 atributos da informação líquida, mas sem esgotar outras possibilidades ainda em desenvolvimento: colaborativa, aberta, ubíqua, híbrida, de difícil controle, rizomática e descorporificada. A intenção é perpetuar discussões na Ciência da Informação que contemplem a informação desprovida de registro e de local fixo para ser armazenada ou permanecer, de suporte, de sujeito, e em que, o essencial seja o acesso à informação.

Palavras-chave: Informação. Informação líquida. Informação líquida na Ciência da Informação.

Debate: 16:40-17:00.

Dia 26.10.2021 – Terça-feira – Noite – 18-20h

Sessão: 2

GT- 1 26.10.2021 – Noite – Sessão 3 – 18-20h

Coordenador da sessão: a confirmar

Comunicações

Comunicação 1 – 18:00-18:20: VARIÁVEIS DE VALOR AGREGADO PARA A ANÁLISE DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

Autoria(s): Lisandra Guerrero Pérez – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Mônica Erichsen Nassif – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Resumo: Este trabalho apresenta os resultados parciais de uma tese que teve como um de seus objetivos definir as variáveis qualitativas que determinam o valor agregado em serviços de informação. Analisar o valor agregado no âmbito da Ciência de Informação torna-se essencial atualmente devido à insuficiência e desatualização dos estudos nessa área e devido, também, à conotação e proliferação alcançada pelos serviços informacionais contemporâneos. A pesquisa é qualitativa e descritiva, e apoia-se na técnica de análise de conteúdo qualitativa para analisar os resultados. Foram selecionados dois modelos como referentes teóricos neste contexto: i) a Taxonomia Derivada do valor no uso de serviços de informação e bibliotecas: Classe B. Interação com um serviço de biblioteca, proposta por Saracevic e Kantor e ii) o Modelo TEDS para avaliar os sistemas de informação a partir da perspectiva dos atores humanos: estendendo e reaproveitando o modelo de valor agregado de Taylor, proposto por Scholl et al. Foi realizada uma análise de equivalência entre as variáveis qualitativas de valor agregado propostas por Saracevic e Kantor e por Scholl et al. Em ambos os modelos selecionados foram excluídas aquelas variáveis relacionadas com a percepção do usuário e com os espaços físicos. A partir dessas análises desenvolvidas foram identificadas 31 variáveis qualitativas para analisar o valor agregado nos serviços de informação e para ser usadas, fundamentalmente, por profissionais de informação. As 31 variáveis de valor agregado identificadas, organizadas em seis macrocategorias, podem ser aplicadas ou adaptadas em diversos âmbitos de estudo, visando avaliar o valor agregado de serviços de informação.

Palavras-chave: Variáveis de Valor Agregado. Valor Agregado. Serviços de Informação. Modelo de Valor Agregado.

Comunicação 1 – 18:20-18:40: O AVESSO DA IMAGEM: REFLEXÕES CRÍTICAS SOBRE A TECNOIMAGEM E A INFORMAÇÃO COMO PROCESSO

Autoria(s): Ricardo M. Pimenta – IBICT

Resumo: O projeto que motivou esta comunicação breve propôs a produção de linha cronológica (timeline) de informações midiáticas sobre a COVID-19, recuperáveis na internet a partir dos principais canais institucionais e de mídia que não se utilizavam de recursos técnicos de assinatura (paywall). No caso da timeline buscamos corroborar à luz de Flusser que e estrutura simples (pois tanto acesso como navegabilidade são razoavelmente simples) e esteticamente agradável tem em seu avesso um sistema funcional complexo que conjuga linhas de programação, conexões entre servidores e domínios, além de alta demanda por uma curadoria contínua.

Palavras-chave: Timeline; COVID-19; Imagem; Informação-como-processo.

Comunicação 3 – 18:40-19:00: DOCUMENTO NA CULTURA DA CONVERGÊNCIA: DEFINIÇÃO DOS TEXTOS DE UMA COMUNIDADE FANFICTION

Autoria(s): Edmilson Alves dos Santos Júnior – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Carlos Cândido de Almeida – Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Resumo: A interação gerada por usuários de mídias sociais a partir de uma proposta comunicativa em rede é marcada pela conectividade em tempo real, a qual, com o passar dos anos, permitiu o desenvolvimento de uma geração mais interativa, conhecida como cultura participativa, na visão do teórico Henry Jenkins. Por esse pensamento, e com a formação da cultura participativa nos espaços sociais em rede, testemunhamos o aparecimento daquilo que Jenkins passa a chamar de cultura da convergência. Nessa cultura, os usuários encontram à disposição grande quantidade de conteúdos, que, por vezes, possibilita o acesso e a disseminação da informação. Os conceitos fundamentais que permeiam essa cultura são: convergência dos meios de comunicação, cultura participativa e inteligência coletiva, além também, dos conceitos de documento sob o viés científico de teóricos da área. Em vista disso, o objetivo desta pesquisa é analisar/comparar o documento sob a ótica da cultura da convergência à sua concepção presente na Ciência da Informação e, na justificativa da construção de um corpus teórico e documental para que se possa entendê-los e contribuir para essa análise. Esta pesquisa é bibliográfica, documental, exploratória e de natureza qualitativa. O método adotado, foi análise documental, pois, é se pensando em todo o processo de investigação e questionamentos que levaram ao percurso metodológico realizado, por meio da análise de documentos do site Nyah! Fanfiction que formaram o corpus deste estudo. Aos resultados obtidos, concluímos que o presente estudo propicia evidenciar questões da atualidade sob a perspectiva da produção de conteúdos nos meios midiáticos, dessa forma, buscando manter a discussão da temática pelo viés científico sobre questões tradicionais e inovadoras acerca do documento.

Palavras-chave: Cultura da Convergência. Documento. Ciência da Informação

Comunicação 4 – 19:00-19:20: LITERATURA INTERATIVA: A PROCURA DE NOVO CONCEITO

Autoria(s): Cassia Furtado – Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Resumo: A contínua evolução tecnológica, através da desmaterialização dos seus suportes, tem afetado de modo preciso a cultura e o entretenimento, provocando alterações em toda a cadeia produtiva e alcançando o modo de consumo. A diminuição gradativa da dependência do físico conduziu fortemente a literatura para a tela, agregando ferramentas inovadoras ao texto, transformando o livro num conjunto híbrido de narrativa, jogo, vídeo e comunidade, estimulando a interação e a cocriação. A partir de tais constatações, prosperam indagações sobre qual é a representação do termo livro no contexto atual. Este artigo é fruto da fundamentação teórica da investigação realizada no Estágio Pós-Doutoral, realizado no Departamento de Comunicação e Arte, da Universidade de Aveiro-Portugal, no período de 2019 e 2020, e propõe uma reflexão sobre a terminologia adotada para o livro no ambiente digital. Com base em pesquisa bibliográfica e com foco nas publicações das últimas décadas, apresenta-se o para a comunidade da Ciência da Informação o termo literatura-serviço para designar a literatura interativa, priorizando o aspecto interdisciplinar e destacando as repercussões que a ciberliteratura trouxe em toda a cadeia de produção e consumo da literatura, instigando questionamentos sobre o paradigma, até então vigente, em torno do livro literário.

Palavras-chave: Literatura-serviço; Literatura-serviço – Ciência da Informação; Livro digital interativo; Aplicativos de literatura interativa.

Debate: 19:20-19:40.

Dia 27.10.2021 – Quarta-feira – Manhã – 9-12h

Sessão: 3

GT-1 27.10.2021 – Manhã – Sessão 3 – 9-12h

Coordenador da sessão: a confirmar

Comunicações

Comunicação 1 – 9:00-9:20: A pesquisa em ciência da informação no IBICT: relações paradigmáticas

Autoria(s): Silvio Marcos Dias Santos – Universidade Federal Fluminense (UFF); Elisabete Gonçalves de Souza – Universidade Federal Fluminense (UFF)

Resumo: O presente trabalho é um substrato da pesquisa em andamento no doutorado do PPGCI da Universidade Federal Fluminense. O estudo documental, quanti-qualitativo e baseado no método da observação indireta, visa verificar as abordagens predominantes no conjunto das teses defendidas pelo Programa de Pós-graduação do IBICT/UFRJ, no período de 1994-2019, com vista a identificar quais abordagens paradigmáticas vêm sendo cotejadas nas pesquisas realizadas pelo Programa, tendo como referência teórico-epistemológica os paradigmas postulados por Rafael Capurro. Parte do pressuposto de que os paradigmas são um instrumental teórico que ajuda a identificar as intersecções teóricas inerentes às abordagens tecnicista, cognitivista e social, entendendo-as não como etapas mais como movimentos que constituem o devir da Ciência da Informação. À luz da análise de conteúdo e em estudos referenciados na Lei de Zipt, foram analisados as palavras-chave, resumo, introdução e conclusões das teses e, mediante amostra representativa, levantou-se a recorrência dos termos, sendo os mesmos confrontados com a terminologia da área e categorizados de modo a ajudar na sistematização da análise. Como resultado, observou-se relevantes indícios da preponderância do paradigma social, mas também que esse mantém constante diálogo com os paradigmas físico e/ou cognitivo. Espera-se estender a metodologia a outros Programas de Pós-graduação existentes nas Instituições de Ensino Superior Públicas e, no conjunto desses, conhecer as abordagens predominantes nas pesquisas da área da ciência da informação brasileira.

Palavras-chave: Pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. IBICT. Doutorado em Ciência da Informação. Produção cientifica (teses). Paradigmas de Capurro.

Comunicação 2 – 9:20-9:40: DO ESTUDO DA INFORMAÇÃO REPRESENTADA AO DAS CONDIÇÕES PARA SUA REPRESENTAÇÃO

Autoria(s): Claudio Paixão Anastácio de Paula – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Resumo: O objetivo desde artigo, o ensaio de uma heurística composta a partir de uma revisão de tipo integrativo, é fazer dialogar ideias de disciplinas e autores que tratam da gênese da informação e do conhecimento para sugerir a possibilidade de que a Ciência da Informação transfira o seu foco epistemológico do estudo da informação representada para a investigação das condições que possibilitam a sua representação. Sugere-se que essa alteração se torne o embrião de uma teoria do conhecimento própria à área que a reposicione como principal protagonista frente às demais áreas que estudam a informação. Para isso, evocam-se a participação da psicologia no passado interdisciplinar da área; a noção de cognição; concepções extraídas da Epistemologia Genética, da Antropologia do Imaginário, da Psicologia Analítica e da Bibliopsicologia; inspirações da Escola Esquematista da Ciência da Informação; e elementos da área embrionária da memética para sugerir a possibilidade de uma Epistemologia Genética da Informação.

Palavras-chave: Epistemologia Genética da Informação. Mnémas. Schèmes. Memética.

Comunicação 3 – 9:40-10:00: INFORMAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Autoria(s): Valdirene Aparecida Pascoal – Universidade Estadual Paulista (UNESP); Carlos Cândido de Almeida – Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Resumo: O objetivo deste trabalho é analisar possíveis contribuições que a teoria da informação semiótica, desenvolvida por Charles Sanders Peirce em meados do século XIX, pode desempenhar na Ciência da Informação. A questão que direciona o presente trabalho foi assim formulada: A informação semiótica peirceana poderia oferecer contribuições significativas para a Ciência da Informação? O procedimento metodológico utilizado para o desenvolvimento do presente estudo foi a pesquisa bibliográfica. A hipótese sustentou que a informação semiótica, desenvolvida por Peirce, por abranger aspectos ontológicos, epistemológicos e pragmáticos da informação, abre caminhos de investigação para os mais variados tipos de processos informacionais (imagem, som, pragmático e verbal), enriquecendo profundamente a análise do próprio conceito de informação e seus desdobramentos na Ciência da Informação. A informação semiótica, entendida enquanto um processo sígnico responsável por mediar experiência e significado, ao aproximar o conceito de informação de conhecimento a partir da representação dos fatos do mundo, pode contribuir para novas discussões e indicar caminhos investigativos na área.

Palavras-chave:Informação Semiótica; Conceito de Informação; Ciência da Informação.

Comunicação 4 – 10:00-10:20: A VERDADE QUE SE BUSCA CONVENCER: RETÓRICA EPISTÊMICA REDIVIVA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Autoria(s): Márcia Feijão de Figueiredo – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ); Gustavo Silva Saldanha – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia / Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (IBICT/UFRJ)

Resumo: O enfoque da presente pesquisa, de ordem filosófica, é desenvolver a reflexão sobre a teoria retórica enquanto fonte documental de argumentação, persuasão e prova, junto de diferentes outras margens de teorização e de aplicação em Ciência da Informação. Essa epistemologia pautada na historicidade está interessada em recolher elementos que constituem o discurso fundador da Ciência da Informação. Nesse sentido, o estudo debruça-se sobre as fontes que nos levam à fundamentação tanto de uma teoria retórica da informação como uma teoria da informação formulada da e para a retórica. Desvela-se, nesse território filosófico, o problema da verdade, como desdobramento das mais remotas e das mais imediatas problemáticas do fazer informacional, pano de fundo de toda essa reflexão. Dentre as tantas potencialidades de vinculação deslindadas na relação entre epistemologia da Ciência da Informação e teoria retórica, o recorte conceitual do estudo tem como resultado o debate sobre autoria-autoridade cognitiva, bem como imagem-classificação, fronteiras inequívocas da longa tradição reflexiva do “retor” e da constituição epistêmico-informacional.

Palavras-chave: Retórica; Teoria retórica; Epistemologia da Ciência da Informação; Filosofia da informação; Verdade.

Debate: 10:20-10:50

Dia 27.10.2021 – Quarta-feira – Tarde – 14-17h

Sessão: 4

GT 1 – 27.10.2021 – Tarde – Sessão 4 – 14-17h

Coordenador da sessão: a confirmar

Comunicações

Comunicação 1 – 14:00-14:20: HANNAH ARENDT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Autoria(s): Aline Laureano Suave – Universidade Estadual Paulista (UNESP; Deise Maria Antonio Sabbag – Universidade Estadual Paulista / Universidade de São Paulo (UNESP / USP)

Resumo: A análise crítica da atualidade demonstra a subtração reflexiva, consciente ou inconscientemente, por questões que fazem parte do desenvolvimento cognitivo, humano e social de cada um inserido no mundo. No contexto mencionado a busca da Filosofia como essência é importante, necessária, como elemento constitutivo e contributivo no campo da Ciência da Informação. Identificar a informação como mediadora e geradora do conhecimento necessita consciência e responsabilidade em compreender e disseminar os benefícios e limites necessários quanto ao papel da informação. Não é suficiente apenas se preocupar com a informação, também é necessário um olhar atento para a Ciência da Informação, considerando toda sua complexidade e seu caráter interdisciplinar. O presente artigo possui como objetivo apresentar a relação da filósofa Hannah Arendt, em especial as relações identificadas na obra ‘A condição Humana’ para a Ciência da Informação. Trata-se de uma pesquisa social, de cunho teórico, com delineamento qualitativo, recorte exploratório e utiliza como procedimento metodológico a pesquisa bibliográfica, pois se propõe analisar de forma crítica como a Filosofia contribui para a Ciência da Informação, centrando-se contribuições da filósofa Hannah Arendt. A estruturação das atividades compostas na “Condição Humana” representam a relação entre as ideias de Arendt (2010) com a Ciência da Informação, e deste modo consegue-se compreender, de forma ampla, o quanto as áreas relacionadas complementam uma à outra e contribuem para a construção e desconstrução de teorias, reformulação e criação de conceitos, reflexões a cerca problemas relevantes da Ciência da Informação, isso com o intuito de agregar para o desenvolvimento de visões diferentes sobre o mundo, sobre a informação.

Palavras-chave: Ciência da Informação. Informação. Hannah Arendt.

Comunicação 2 – 14:20-14:40: AS TRANÇAS RESISTEM: FEMINISMO NEGRO E EPISTEMOLOGIA SOCIAL A PARTIR DE TRAJETÓRIAS DE VIDA DE PESQUISADORAS NEGRAS EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Autoria(s): Leyde Klebia Rodrigues da Silva – Universidade Federal da Bahia / Universidade Federal do Cariri (UFBA/UFCA); Gustavo Silva Saldanha – – Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia / Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (IBICT/UFRJ)

Resumo: O objetivo desta pesquisa é (re)contar as trajetórias de vida de pesquisadoras negras do campo da Biblioteconomia e Ciência da Informação e suas tranças intelectuais, tendo como base o fundamento da epistemologia social. Metodologicamente, a investigação baseou-se numa abordagem qualitativa de pesquisa, do tipo documental. As fontes selecionadas denominadas biobibliográficas, memoriais e artigos autorais, disponibilizados pelas protagonistas da pesquisa, foram analisadas a partir do método autobiográfico, do princípio analítico da interseccionalidade, e compreendidas sob a ótica de uma Epistemologia Social Feminista Negra. As tranças intelectuais foram construídas pela noção de Baobá Genealógico com dados coletados na Plataforma Lattes, via as bases de Currículos Lattes e o Diretório de Grupos de Pesquisa. Os resultados da pesquisa mostram que os fragmentos narrativos das trajetórias de vida das pesquisadoras e os respectivos Baobás Genealógicos serviram de aporte para uma compreensão da atuação, experiência, luta, protagonismo e resiliência dessas mulheres em seus espaços. Nas considerações finais, reforça-se a importância da presença de mulheres negras em todos os espaços da sociedade, e apesar da mídia e dos currículos escolares não abordarem a profundidade dessas existências, as vidas complexas de mulheres negras podem promover grandes contribuições científicas e importantes transformações sociais.

Palavras-chave: Biblioteconomia e Ciência da Informação. Feminismo negro. Epistemologia social. Trajetórias de vida.

Comunicação 3 – 14:40-15:00: ASPECTOS HISTÓRICOS ACERCA DA PRESENÇA DO FEMININO NA BIBLIOTECONOMIA BRASILEIRA

Autoria(s): Ana Laura Silva Xavier – Universidade Estadual Paulista (UNESP); Deise Maria Antonio Sabbag – Universidade Estadual Paulista / Universidade de São Paulo (UNESP / USP)

Resumo: A pesquisa parte do pressuposto que a Biblioteconomia brasileira contemporânea integra o hall de profissões feminizadas, visto que desde a década de 1930 a profissão concentra um alto número de mulheres. Ao se delinear o percurso histórico da área, observou-se que inicialmente a profissão de bibliotecária/o foi protagonizada por homens devido à forte influência europeia que permeava a sociedade brasileira no decorrer do período colonial e republicano. Adotou-se uma abordagem qualitativa com procedimentos bibliográficos, documentais e históricos como modo de atingir o objetivo de evidenciar a presença de mulheres no percurso histórico da Biblioteconomia brasileira. Os resultados obtidos demostram que a Biblioteconomia se estabeleceu como escolha profissional para mulheres a partir de 1929 por intermédio do Mackenzie College em São Paulo, cujo enfoque consistia na pragmática estadunidense. Concluiu-se que a partir deste momento, a profissão bibliotecária se consolidou como tecnicista, se aproximou do Magistério e foi inscrita no Setor Terciário da Economia, características estas que, segundo a ótica da Divisão Sexual do Trabalho, foram cruciais para que a profissão fosse considerada como feminizada.

Palavras-chave: História da Biblioteconomia. Mulheres na Biblioteconomia. Biblioteconomia brasileira. Divisão Sexual do Trabalho. Profissões feminizadas.

Debate: 15:00-15:30